Bar das Putas

04/02/2010 Gritos do Nada

Era lá mesmo… Naquele lugar estranho
O bar cheio de pessoas esquisitas nos fazia pensar:
“Aqui, meu amigo, estranhos somos nós!”

A música a gente não gostava…
E nos arrependíamos do gosto da pizza…
Mas a cerveja… Ah a cerveja, sempre ela nos fazia ficar!

E a bebíamos desbragadamente, 8 garrafas cada…
Podem confiar, ainda havia sede em nossos corpos
Ok, talvez mais em nossas mentes que em nossos corpos

Sorvíamos o liquido amarelado com vontade de nos perdemos em suas bolhas
Mas o que mais sorvíamos eram nossas palavras
Atiradas nas paredes engorduradas do lugar…

Deus sabe o quanto quis canetas e papéis
O quanto precisávamos dividir pra conquistar
Deus? Será que ele sabe que a gente pensa nele nesse lugar?

Quase tudo trazia nossos sorrisos ao rosto
E mesmo as merdas eram motivo pra gargalhar
Não vamos nunca vencer os problemas
Como já te disse irmão: “sem problemas será fácil demais!”

E lá tomaram forma enredos do que passamos
E dessas histórias vem tudo do que nos conhecemos
Sei de certos medos, sabes de certas taras
Sei de desejos, sabes de defeitos…

Tudo a luz suja daquele bar…
Onde putas ainda dançam sem perceber
Que seu tempo passou…
Que não tem mais nada a perder

Pode mesmo até ser isso meu irmão
Toda a decadência das putas a se oferecer
Aqueles senhores bêbados sem noção
Nos fazem nos olharmos e perceber:

Não seremos como eles!
Seremos o que quisermos ser!

E no final tinha a tentativa de não pagar
Um ao banheiro, o outro à porta da esquerda…
Cada um saia por um lado, em ruas escuras
Onde só gatos velhos, putas e nossos sorrisos pareciam estar…

Perdi-me um pouco nessas noites no Bar das Putas
Um nome que um de nós deu sem saber:
Que toda vez que falar dele tem que explicar
“Não é um puteiro, é só um boteco ruim de conhecer”

E ele está lá, numa esquina esquecida…
Com a calçada suja, enegrecida
Lá estaremos de novo, com novos pensamentos a incomodar
E com certeza pelo menos 2 garrafas de cerveja pra brindar!

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

2 thoughts on “Bar das Putas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: