Quem fui ou quem sou?

16/05/2014 Gritos do Nada

Eu já nem mesmo sei mais quem sou
E fracamente quero esquecer pra onde vou

Um dia me disseram que sou culpado e aceito o fardo
O carrego mesmo que faça meu caminho mais árduo

Carrego todas as culpas sem cometer os erros
Conto as verdades no silêncio e minto com urros

E trago no fundo do peito meus inconfessáveis medos
Espero que ao descobrí-los os mantenha em segredo

Ah tentei me livrar desses medos em cada esquina
Perdi uns, ganhei outros… a experiência me ilumina

Perdi-me entre os risos e as lágrimas no meu rosto
Prestei atenção aos sussuros e não entendi o proposto

Sonhei acordado com as luzes que via pelas noites que corri
Fugi de mim entre os goles e tenho quase certeza que morri

Me achei nas manhãs de gosto seco na boca
Trabalhei com os olhos injetados e a mente louca

Odiando todos não segurei nenhuma mão ou braço
Mas me apoiei em seu ombro e quis seu abraço

O seu amor me fez mais forte e vulnerável
E essa dicotomia me fez alguém crível

Chorei cada gole e bebi cada lágrima
Me tornei meu algoz e minha pobre vítima

Não sei quem fui, mas me lembro quem sou!
Aquele que quase perdeu, mas que ganhou

Creio que sou o fim de cada noite que chorei
E no outro dia acordo outro e pela manhã partirei

Num dia fui quem se perdeu e dai sou quem se achou
Quem morreu todos os dias e diferente ressuscitou

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

26/08/2020 Sonhos Viciados
O que será que leva dentro? O suor triste do operário?

Uma piñata feita com uma mochila Rappi

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: